Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Amor e dieta

por Closet, em 04.05.11

 

Abandonar um amor é como fazer uma dieta.

Há um primeiro passo necessário: a vontade e empenho. “Eu quero emagrecer” e assim diz-se “eu quero deixa-lo”. Tem de ser dito em voz alta, firme e com a convicção de que não se irá voltar atrás… Por isso regista-se o peso, mede-se as coxas, a anca e a cintura.

Também ao abandonar um amor faz-se um ponto de situação, reflecte-se sobre o que se passou, o que por vezes custa tanto como subir na balança e ver “como deixámos chegar a este ponto?”. Medimos os caminhos possíveis, a coxa será a distância física, a anca a distância mental e a cintura, sempre o mais difícil e que precisa de mais ginástica, a distância emocional.

O segundo passo é a abstinência. Larga-se de imediato os doces e as gorduras, poderei dizer… os maiores prazeres.

Esquece-se o cheiro da pele, o sabor da boca, o calor dos abraços. Sacode-se a cabeça e deita-se fora como num caixote de lixo do bairro.

Depois deve-se abdicar dos farináceos - a batata, o arroz, a massa - e substitui-los por legumes e saladas saudáveis.

Também abandonar um amor segue regras iguais, rasgam-se as fotografias e as palavras que nos desencaminham e procuram-se outras, diferentes, capazes de nos deslumbrar.

Com a mesma fé que se prova um vegetal novo, como uma alcachofra, deve-se tentar uma nova aventura. Comer e gostar de uma alcachofra, nem que seja só uma vez, arriscar experimentar da mesma forma como arriscar beijar e abraçar de novo alguém, sem medos.

E seguindo um plano diário, certinho, dia a dia vão aparecendo os resultados. Perde-se peso e volume. Compram-se roupas novas porque as velhas já não servem, caem.

Abandona-se um amor também assim, devagarinho. Rasgando aos poucos o peito, em pedaços, apertado em lágrimas que libertam dor. Para vestir o corpo derrotado, de sorrisos brilhantes, num rosto onde o desalento roubava-lhe a cor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15

Just to say...

por Closet, em 11.08.10

Não, não fugi para o México!! e também não fui mordida por uma mosca da sonolêcia deixando-me em jet lag profundo!!... bom, às vezes apetecia-me...mas só para a semana, ok??!!

Estou no Algarve, de férias, a derreter e a fazer aquilo que tento 300 dias por ano... DIETA... mas desta vez à séria... escusado dizer que digo sempre isto, mas estou confiante que nesta semana vou conseguir 1 quilito!Nada de Pinacoladas, Tequillas Sunrises ou Margaritas...not even a Beer... nem gelados... só cenouras, tomates e pepinos e maçãs... all day... e uma carninha ou peixinho com salada à noite... pronto, não vá desmaiar por aqui e aparecer na TVI - Recém-chegada do México tem um novo ataque de gripe suína:)

 

Well... em breve espero fazer um post sobre o México, alguns episódios mais cómicos, quando estiver inspirada... confesso que agora ando de volta dos meus Retalhos e do novo romance que estou a ler "Um Dia" de David Nicholls, que ALGUÉM me seduziu a ler...e vá, estou a gostar! Do ponto de vista literário saliente-se, cof cof... ok, adoro o personagem Dex.... so what?? O "slogan" do livro diz "Podemos viver toda uma vida sem nos apercebermos de que aquilo que procuramos está mesmo à nossa frente". Se quiserem mais informações aconselho o site da Bertand que tem uns videos de promoção fantásticos. Basicamente é a história de Emma e Dexter que se conhecem na noite em que acabam o curso e depois cada um segue um caminho diferente, e de alguma forma vão permanecer sempre ligados, e sempre separados... bom, ainda nem cheguei a meio e já estou a discursar!!

O tema entusiasmou-me - UM DIA - por vezes "esse" dia torna-se uma vida, assume proporções monstruosas, transforma-nos, corre-nos eternamente nas veias... há dias assim, inevitáveis, inesquecíveis. Saberemos viver com ele uma vida?

 

Por enquanto continuarei esta semana de férias, a devorar o livro e esperar com muita fé (e sacrifício, aiiii os gelados...) que o calor me derreta as gorduras que vieram visitar-me nas férias, assim sem pedir licença (intrusas!)! Estarei de pés na areia e a sonhar com o meu céu :) beijos a todos!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:14

Eu e a balança

por Closet, em 05.05.09

 

Confesso que tenho um relação doentia com a minha balança. Uma espécie de amor ódio, uma relação de toca e foge.

Primeiro porque me diz a minha idade (confesso que ainda tenho lá 33 anos...shame on me!), depois lembra-me a minha baixa estatura ...oh God...porque é que eu compro estas modernices só porque  diz a massa gorda... que by the way passou a ser também um par de dígitos que me tira do sério... mas, principalmente, porque me diz os dois dígitos que eu, nem com uma arma apontada à cabeça, revelo...

Todas as manhãs é uma tourada, chego a dar uns saltitos na esperança que algum quilo simplesmente escorregue das minhas coxas em direcção ao chão e de preferência se perca por lá. E acreditem..se a balança me bafeja com menos umas gramas eu não me ponho de gatas à procura delas...no way! Não fui eu que as convidei a entrar neste corpinho.

 

Eu até fui uma criança magrela, uma pisca a comer, e uma adolescente... vá...roliça, torneada, tinha formas. Não era gooorda, até porque fazia muito desporto, mas a partir dos 17 anos a celulite, essa bruxa malvada, apoderou-se das minhas pernas, ancas e barriga e, vá...vieram uns quilitos indesejáveis!

Desde então passei a minha vida em permanentes dietas, o que seria um estado temporário para umas, era para mim um estado...normal.

Na verdade sempre gostei de estar de dieta, é fino, fica bem dizer "não posso comer isso, estou de dieta", eheh...esta frase soa-me tão familiar como a música do Atirei o pau ao gato... E lá passei eu a minha década vintager em constantes malabarismos de calorias, e a equipar o meu Closet com uma diversidade de tamanhos de roupa... 

Vendo bem, até nas gravidezes dava por mim a passar fome no dia antes de ir ao médico, pesar religiosamente a roupa que levava vestida para me certificar que era mais leve do que a que tinha levado na consulta anterior e depois, em plena consulta, antes de trepar para a balança negociava os quilos com as 1001 desculpas esfarrapadas que me lembrava.. ah e tal estou com retenção de líquidos, os meus intestinos já não funcionam há uma semana, acabei de beber um garrafão de 5 litros de água...coisas credíveis deste género!

Bom...Just to say que eu e a minha Balança estamos novamente em guerra...Eu olho para ela e ela nunca me ostra o que eu quero ver... e eu até lhe dou 2ªs oportunidades...saio, carrego em start outra vez...sim, porque uma Balança digital com medidor de massa gorda também se pode enganar... aliás convenço-me muitas vezes que ela está, de facto enganada, com os copos, ensonada, sei lá...e digo-lhe um "xau, até amanhã" com o meu ar mais arrogante e arremesso-a para um canto. 

Mas o que é certo é que, neste momento, estou com 2 estúpidos, intrometidos e teimosos quilos a mais (a mais do que eu quero ter que, believe it, está longe da anorexia) portanto, by now, estou de dieta!

Anyway, fazer dieta para mim é um estado de espírito, e enquanto que é origem de depressão para umas...acho que a mim é um gerador de bem estar psicológico. Fico mais alegre, mais activa, menos vulnerável..sou mais EU.

E a minha dieta, a que funciona, sim, porque já me deixei de inventar, é basicamente...tchanan...

- de manhã 1/2 Lt de chá verde e pão integral com fiambre ou queijo

- almoço carne ou peixe sem molhos e com legumes

- lanche iogurte e fruta

- jantar...bom passemos à frente! deve-se jantar o menos possível e é aqui que eu tenho andado a pecar... agora voltei ao queijo fresco e uma concha de sopa sem batata, mai-nada!

Tudo isto regado a ...2 litros de água por dia (bohémias estão fora de questão...poor me!)

 

E para ajudar,  hoje fui andar até às 21h30 para o paredão de Oeiras enquanto as crianças andavam de patins em linha (sabiam que estava uma noite espectacular? é um crime ficar em casa...a isto eu chamo - qualidade de vida ) e mesmo em maré de azar com quedas, amanhã também vou patinar, I don't care!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

O meu Closet

por Closet, em 03.08.08

 

É a 1ª vez que me aventuro neste mundo dos blogs, mas mesmo sem perceber alguma coisa já descobri recomendações óptimas sobre moda e cosmética, um site que dá para ver filmes (ok, com legendas em japonês, mas até é bom para aprender caracteres novos...) e um site com imensas músicas. Só ainda não descobri muito bem com colocar certas coisas aqui, mas para lá caminho! Quem me quiser ensinar a colocar imagens e músicas ou mudar o template, é bem vindo!
 
O meu Closet pretende ser onde eu conto as minhas histórias. Tal como um grande Closet (qual a mulher que não adoraria ter um?... como eu compreendo a Sara Jessica Parker no filme Sexo e a Cidade quando diz "não me dês um anel de noivado, dá-me um grande Closet"), as mulheres guardam lá todas as suas roupas (as que usam, as que já usaram há 5 anos e até as que nunca usaram mas acham que um dia ainda vão caber lá dentro,... eu ainda tenho esperança de apertar o botão de uma saia 36 que vesti há 3 anos, e esta motivação mantém-me firme em constantes dietas, lutando afincadamente contra o demónio em forma de gelado de chocolate negro da Carte D'or).
Para além das roupas há as malas, as carteiras e as clutchs, os chapéus, e... os sapatos. Estes são a nossa perdição, eles existem em todas as cores e feitios, saltos agulha, finos, em triângulo, tacões, compensados, cunha,... e agora vejam a diferença dos sapatos de homem, que evolução teve um par de sapatos vela? quem tem uns castanhos e uns azuis fica satisfeito, não precisa de mais... e depois as mulheres é que são as consumistas... mas a paixão por sapatos é simples e linear, sempre que uma peça de roupa nos fica apertada nós vingamo-nos nos sapatos. E aqui ninguém repara se é 37 ou 38, ficam sempre bem no pé, sentimo-nos altas e elegantes, o poder de um bom par de sapatos é divinal em momentos de crise! Deve ser por isso que têm aumentado tanto o preço dos sapatos nos últimos tempos...
Bom, voltando ao Closet, todas as nossas peças de roupa vivem connosco as nossas histórias, por isso decidi dar este nome ao blog. Vou tentar contar aqui as minhas histórias mais divertidas,

... como por exemplo eu ter ficado hoje 20 minutos no parque de estacionamento de um centro comercial a tentar fechar o carro super inteligente do meu marido, aquele que abre as luzes sozinho e quando se fecha o carro apaga as luzes e recolhe os espelhos... ahhh carros espertos.... pois é, mas hoje comigo teimou em não fechar nem apagar as luzes... eu abria o carro e começava a apitar... completamente louco... a 1ª coisa que me ocorreu foi, naturalmente, não pensar mais no assunto e telefonar ao meu marido,... mas para azar ele não atendeu... esperei enquanto entrava e saía do carro, apertava no botão de fechar, ficava tudo na mesma, o carro voltava a apitar.... já estava a dar em doida, afinal aquele monte de lata não podia ser mais esperto que eu, ... aí tive uma ideia, que apesar de não achar que fosse muito luminosa podia ser que desse resultado, "vou começar do zero, ligo o carro e vou estacionar noutro lugar, pode ser que este lugar tenha algum feitiço vodu, ou coisa similar...". Quando liguei o carro vi no visor onde diz tudo e mais alguma coisa "óculo do carro aberto", aha deve ser isto... fui lá atrás fechei o dito óculo e ainda meio desconfiada avancei sem medo com comando na mão e carreguei no botão de fechar. Para meu espanto deu resultado, problema resolvido, não precisei de chamar o segurança, e lá fui eu com 20 minutos de atraso para o centro comercial a resmungar sobre como detesto carros inteligentes. (Parece que no dito comando do carro há um botão para abrir o óculo de trás, mas eu nem sabia e devo ter carregado lá, estes comandos foram de certeza feitos por homens só para nos torturarem!). E quem diz comandos diz tampões de gasolina, porque o meu simples Peugeot 107 tem um truque qualquer para se abrir o depósito de gasolina que mais são as vezes que não consigo abrir do que as que consigo (e nessas ocasiões ou parto uma unha ou estalo o verniz...), ainda bem que existem bombas em que só damos a chave e dizemos "encha", e eles que se desenrasquem com o tampão da gasolina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:56


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930


Posts mais comentados