Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Milky Way

por Closet, em 23.02.09

No MoMa perdi-me por este quadro que fotografei - Milky Way de Janet Sobel (1894-1968).
A Via Láctea é um disco em espiral constituído por 200 biliões de estrelas, ena ... tantas. Não é que perceba deste assunto, na verdade até é um ponto fraco que tenho, mas tudo nesta vida se aprende a gostar, a detestar, a compreender, a esquecer...tudo, incluindo 200 biliões de estrelas.
Fui investigar... e afinal ainda não se sabe ao certo como o sistema solar foi formado. Wonder why? Ao que parece, o Sol começou a brilhar quando o núcleo atingiu a temperatura suficiente para iniciar reacções de fusão nuclear. A radiação acabou por gerar um vento solar conhecido como "onda de choque", que espalhou o gás e poeira restantes das redondezas da estrela recém-nascida para os planetas que se acabaram de formar a partir de enormes colisões. Tudo resultou então de um choque. E existem oito planetas a vaguear à volta do Sol, uns sólidos, outros gasosos. E existem corpos menores que orbitam em torno dos planetas, os satélites. Grande partes destes satélites são apenas pedaços de rocha ou gelo a girar em torno de um planeta.
Passeei pela areia da praia ao por do sol e percebi que o sistema solar  dava um excelente tema de conversa. Em primeiro lugar porque a palavra planeta em grego quer efectivamente dizer astro errante, o que de certa forma, me sinto de vez em quando. E lembrando-me da minha paixão por pedras, confronto-me com a cruel realidade de que muitas das pedras que gosto à primeira vista, não passam de rochas ocas, desinteressantes, geladas... como a maioria dos satélites. Na verdade, sinto-me por vezes um planeta errante com satélites que me orbitam falsamente. Chego a pensar que são luas, planetas secundários, dou-lhes demasiada importância...mas, com algumas "ondas de choque", acabo por descobrir que afinal não passam de rochas ou gelo a girar ridiculamente à minha volta...
 
Bom.. vamos festejar o Carnaval ;-)
 

Castelos no ar - Rita Guerra

Hoje fiz de conta Que o mundo era meu
Quis pinta-lo alegre Como eu
Mostrar a toda gente O que estava a sentir
Como as coisas simples Nos fazem sorrir

Ninguém vê O dia a nascer
O amanhecer Ninguém vê
A vida acontecer

Nínguem faz castelos No ar
E não há quem queira Sonhar
Já ninguém pára P'ra ver em vez de olhar
Já não há Quem repare no luar

Hoje fiz de conta Que tinha o mundo na mão
Quis que não fosse um deserto De solidão
Toda gente corre Sem saber
E passa pela vida Sem viver

Ninguém vê O dia a nascer
O amanhecer Ninguém vê
A vida acontecer

Nínguem faz castelos No ar
E não há quem queira Sonhar
Já ninguém pára P'ra ver em vez de olhar
Já não há Quem repare no luar

Agora, lá fora O mundo não tem cor
Já não há

Mais canções de amor

Ninguém vê O dia a nascer
O amanhecer Ninguém vê
A vida acontecer

Nínguem faz castelos No ar
E não há quem queira Sonhar
Já ninguém pára P'ra ver em vez de olhar
Já não há Quem repare no luar

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728