Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




chuva

por Closet, em 19.02.13

 

Não digas nada, peço-te.

Enquanto a chuva bate persistente no vidro da janela, implorando abrigo.

E as gotas escorrem, dilaceradas, trémulas. Desaguam no parapeito de pedra, desfazem-se num grito fino. Ensurdecedor. Inquietante. Dormente. 

Proclamam a primavera do nosso tempo, o calor emanado dos nossos corpos

despidos em fábulas encantadas de crianças. Fantasias adormecidas, entre abraços de sonhos perdidos no temporal das lembranças.

Não digas nada, peço-te.

Até a chuvar parar de repetir os versos.

Tags:

publicado às 00:04


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728