Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Doce de travo a Sal

por Closet, em 25.02.11

 

O corpo deambulava, rígido, obedecia mecanicamente aos movimentos. Arrastava-se, pesado. Um passo, depois outro, num avançar lento e cego. Ritmado. O olhar pousado no chão de cimento sujo, percorria o caminho por instinto. Sabia-o de cor, enquanto a musica rasgava-lhe os ouvidos, impedindo as vozes de entrar. As outras e as suas. Procurava no barulho o silêncio ensurdecedor. Não lhe apetecia falar. As palavas queimavam em labaredas gigantes. Ecoavam um "também" doce, de travo a sal. 

Sentou-se, sem hesitar, de costas. Era assim que se despedia de tudo o que deixou para trás. Afogava lágrimas de angústia e frustração num rosto pálido, fechado e sem expressão. Os lábios comprimidos e trémulos, lutavam contra um choro abrupto, prestes a romper. Os olhos, inundados, controlavam uma tempestade invencível, inevitável. Desaba quando perdida na noite escura, sozinha, permitia-se chorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:25


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728