Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Amor sobre rodas

por Closet, em 22.01.09

Quando era mais nova costumava dizer que o amor é como um autocarro, onde andava diariamente. Dizia isto com uma certa ironia...mas fazia sentido para mim.

Há alturas em que o autocarro está cheio, chega a ser confuso, nem sempre encontramos apoio para nos agarrar, furamos caminho... às vezes caímos ao colo de alguém, um estranho que nem conhecemos, mas que nos segurou naquele momento e livrou-nos de uma queda. Às vezes ficamos lá mais um bocadinho, com medo das curvas, ou simplesmente porque estamos a gostar do passeio. Mas o trajecto tem paragens e nem sempre vamos para o mesmo destino. Aquele estranho de repente quer sair e sabemos que ainda não é a nossa vez. O autocarro continua o percurso. Há quem faça a viagem até ao fim à espera de ver a pessoa certa entrar. Há quem saia no momento errado. Há desencontros...Agarramos-nos novamente a algo... às vezes o autocarro vai incomodamente vazio e só um corrimão segura-nos na viagem. Mas inesperadamente acaba por encher de novo. E uma qualquer travagem faz-nos embater em outra pessoa, às vezes já a conhecemos há algum tempo daquele autocarro e nunca tínhamos olhado para ela com atenção. Às vezes os olhos cruzam-se por segundos eternos. Nessas alturas o autocarro até pode estar cheio mas só o vemos a ele, só sentimos o seu cheiro e a sua respiração. Às vezes desculpamos-nos que foi um qualquer empurrão que nos atirou para os seus braços, foi uma curva que nos empurrou para um beijo. Estamos num autocarro cheio, temos desculpa, , negamos qualquer impulso ou emoção. Em qualquer percurso do autocarro há um destino e várias paragens. Podemos sair a qualquer momento. Ou não. 

 

Foi um amigo que me mandou o link deste videoclip, nunca vi a série, mas se fizesse uma declaração de amor, acho que diria algo muito próximo disto... a uma pessoa com dons de Special One, ou il specialli, whatever... diria exactamente isto. É lindo! Vou deixar o texto.

[Error: unknown template 'video']

 

"Dear Karen,
If you're reading this, it means I actually worked up the courage to mail it. So, good for me.
You don't know me very well but you get me started, I have a tendency to go on and on about how hard the writing is for me.
But this... this is the hardest thing I've ever had to write.
There's no easy way to say this, so I'll just say it.
I met someone.
It was an accident. I wasn't looking for it. It wasn't on the make.
It was a perfect storm. She said one thing. I said another. Next thing I knew, I wanted to spend the rest of my life in the middle of that conversation.
Now there's this feeling in my gut.
She might be the one.
She's completely nuts... in a way that makes me smile -- highly neurotic.
A great deal of maintenance required.
She is you, Karen.
That's the good news. The bad is that I don't know how to be with you right now. And it scares the shit out of me. Because if I'm not with you right now, I have this feeling we'll get lost out there.
It's a big, bad world full of twists and turns, and people have a way of blinking and missing the moment... the moment that could've changed everything.
I don't know what's going on with us, and I can't tell you why you should waste a leap of faith on the likes of me... but, damn, you smell good -- like home.
And you make excellent coffee.
That's got to count for something, right?
Call me.
Unfaithfully yours,
Hank Moody."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28

Olá...

por Closet, em 22.01.09

“Olá...ainda estás a trabalhar na ****?” recebi ontem à tarde no meu telemóvel. Se não tivesse lá o nome da empresa teria a certeza que era engano, volta e meia recebo uns sms de estranhos, by the way, às vezes tenho a culpa porque me engano a mandar sms e gero a confusão...forget it, não costumo mandar disso e provavelmente sou a única criatura que demora horrores a digitar no telélé... anyway... lá respondi “Who are you?” ... passado uma hora o telefona toca e oiço uma voz maravilhosa, inconfundível, que já não ouvia há 3 anos... “Olá!” o meu amigo F.
Perdi-me dele por coisas do destino, num ano conturbado, achei até que tinha ído para o estrangeiro com a namorada, e quando me roubaram o telefone lá se foi os contactos (malditas tecnologias, onde andam as agendinhas lindas de papel??).

Thank God ele não foi roubado, nem perdeu o meu telefone... estou de coração cheio a listar um monte de perguntas que lhe quero fazer quando nos encontrarmos brevemente! Conhecemos-nos há 20 anos, num acampamento e nunca tivemos amigos em comum, mas ficámos inseparáveis... nenhum namorado conseguiu roubar-lhe o lugar. Com esforço arranja-se lugar para todos e sempre correu bem! É a pessoa mais serena que conheço, às vezes nem sei como me atura com a minha electricidade habitual... mas atura-me, sempre me aturou. Conhece-me bem demais e sei que me adora assim mesmo como sou. Como eu o adoro, de tão diferente que é de mim, nunca o tentei mudar.
Ele não me perdeu...eu ainda guardo a ficha cor-de-rosa dos carrinhos de choque em que andámos quando fez 14 anos! É uma recordação nossa. Life is a moment!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

Luxúria...upsss

por Closet, em 22.01.09

Parece que nem todos os dicionários são iguais, e depois de ver por aí nos blogs as definições de luxúria...bem... nem é luxos (tenho a desculpa de ser loira), nem é sensualidade como diz no dicionário que consultei... ok... parece que é mais "prazeres carnais", upsss...sorry.

Então, eu, Closet, me confesso: PECO.

Na verdade sempre sonhei ser vegetariana, à séria, comer única e simplesmente ervinhas,...mas o problema é que gosto mesmo de algumas carnes, são saborosas, viciantes, e então aquelas que têm o tempero certo... não lhes resisto... paciência.

Bom, e isto aplica-se a outras coisas na vida

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:24


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031