Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fábrica de Histórias

por Closet, em 02.04.11

 

 

Apatia

 

Arrasta os pés num sonambulismo robotizado. Deambula por mundos distantes, foge das dúvidas e decisões. Os olhos caminham no chão cinzento riscado, abandonados. Contam os degraus das escadas sujas, perseguem os passos largos e apressados do vulto da frente que se afastam rapidamente. Depois um bater de saltos finos, irritantes, ultrapassam os seus numa correria. Indiferente, continua a marcha lenta, o ritmo da solidão, alheia ao zumbido das vozes que a rodeiam, aos corpos fantasmas que embatem no seu.


Ao longe reconhece alguém na multidão e finge não ver. Não pretende falar nem sorrir, não lhe apetece existir. Enterra a cabeça num livro que abre e folheia desinteressada, enquanto vagueia pelas palavras que não lê. Deixa-se levar, empurrada, sem perceber.

Sentada, a cabeça segura no vidro, os lábios secos e o olhar envidraçado persegue o vazio de costas. Confronta-se com uma criança ao seu lado, de cabelos negros e nariz arrebitado, que lhe pergunta inesperadamente «Estás a chorar?». Não sabia. Era um dia escuro, confuso, apagado.

 

Era sombra reflectida numa parede esquecida, cansada de respirar. Num instinto primário, vegetativo. Sem perguntas. Sem receios. Sem pensar. Como o caminho que faz de olhos vendados. A estação certa, a prisão das horas e dos lugares. A urgência de partir e de chegar. A qualquer lado marcado no calendário infernal.

 

Chega no final do dia e atira o corpo esgotado para cama ainda desfeita. Admirada como ali chegou, não se recorda por onde passou. A dúvida persiste, latejante, «onde irá a seguir?»

Uma escuridão medonha, sombria. Um corpo inerte, estéril de sentir. Como se estivesse sentado no parapeito alto da janela, sem medo de cair.

 

Texto escrito para a Fábrica de Histórias.

 

publicado às 22:31


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Natacha a 03.04.2011 às 16:17

Já sei... entraste na minha alma e nela te inspiraste para escrever este texo! Não?? Ahh, pois, inspiraste-te na foto, claro...


Bom, mas isto para dizer que o teu texto espelha os meus dias recentes, ando numa espécie de piloto automático e dou por mim sem saber bem por onde passei até chegar onde estou...


São fases :)


Adorei, como sempre. Bem escrito, muito bem... o teu professor deve estar orgulhoso :)


Beijinhos

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930