Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um dia sonhei

por Closet, em 05.04.11

Um dia sonhei que tinhas voltado. Assim de repente, sem avisar. E, ao ver-te, corri para aos teus braços desajeitada, como fazia no passado. Com o coração na boca, a querer saltar. Não pensei em nada, o mundo inteiro desapareceu com o calor do meu corpo no teu.

Beijámo-nos como se o tempo fosse um brinquedo estragado, com pilhas gastas, parado. Esquecemo-nos do tempo e o tempo esqueceu-se de nós. Naquele carro apertado, viajámos apressados para tapar o buraco profundo da saudade. Falámos tanto. Com a língua, com os olhos, com as mãos. Atropelámos palavras com os lábios sedentos, rompemos frases com abraços que não aguentaram esperar. Transpirámos verbos, esquecidos, que já não sabíamos conjugar. 

Um dia sonhei que tinhas voltado, mas um terremoto gigante abanou o chão onde pisava. Confusa e assustada, fugi da estrada para um abrigo confortável, seguro. E quando saí cá para fora, estava tudo enovado, partido, escuro. O mundo estava virado ao contrário e tu tinhas desaparecido, sem avisar. Não sei se morreste outra vez, se voltas um dia, de verdade, ou se te voltarei a sonhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 00:27

Sonhos

por Closet, em 13.12.10

 

Sonhos

 

Alguns parecem frágeis, como barcos de papel.

Desabrigados num oceano vasto.

Alguns resistem às maiores intempéries,

chuva, sol, fome, solidão,

resistem, sobrevivem

arrastados pelas correntes do mar

empurrados pelos ventos violentos

e emergem à tona da água, quando se pensavam afogar.

Deslizam, serenos, com a calma do tempo,

até à ilha que os vier abraçar

e nela ancoram, confiantes,

se ao pisarem a terra, sentirem-na capaz de os realizar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 01:56

Deixar para trás

por Closet, em 09.12.10

 

Li que as folhas caídas no chão são estilhaços do Outono.

Assim também são os sonhos que abandonamos, estilhaços de nós.

Alguns voam com o vento e acabamos por esquecer que existiram.

Outros colam-se à nossa pele, húmida de tempestades, e lembram-nos a cada dia que vivem em nós,

sobreviventes de naufragio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 00:19

Dreams are

por Closet, em 04.12.10

Serigrafia «Dreams are my reality" daqui by Ana Ventura

 

«uma casa é o seu equilíbrio mas tem pássaros nos pés para voar e a cabeça é inundada de gotas para refrescar a memória e o caminho que segue é uma descoberta –a árvore da vida está representada»

Assim sou eu para a minha Melhor Amiga!

 

Coabita em mim sempre um mundo de fantasia, um imaginário que transpira por entre os poros da minha pele. Por vezes tenho dificuldade em distingui-lo e ando perdida. Não sei se sonho se vivo.

Há em mim um estado de insubordinação constante. Errante por vezes, sem intuito nenhum. Negação de evidências, aceitação de coisas ridiculas... Dispo-me assim do que chamam realidade e eu chamo de fantasia. Vou vivendo um dia atrás do outro, segura pela força da minha imaginação, a capacidade que tenho de sair de mim, o poder de me abstrair, de ser muitas ao mesmo tempo e em toda a parte...

É cansativo, eu sei... mas não encontrei ainda outra forma de ser feliz. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:54

Abrigo

por Closet, em 28.10.08

Não estava a pensar escrever hoje, mas senti-me profundamente inspirada pela paixão de dois amigos meus, verdadeiros estranhos que invadiram a minha vida... devo estar louca, talvez,... ou não,..sorry amigos, mas hoje escrevo para eles os dois (os nomes começam por "D").

 

O sol nem sempre brilha para nós, por vezes só sentimos ventos e tempestades à nossa volta, e é nessas alturas que ficamos confusos como um perfeito estranho pode invadir as nossas vidas. De repente, e sem darmos por isso, acordamos e adormecemos a pensar nele, a sua presença torna-se tão importante ao ponto de ser incómoda, e no início... não sabemos bem porquê, queremos continuar por perto, fazer parte da sua vida, sentir o seu abraço, procurar o seu sorriso. De alguma forma o vosso destino tocou-se. Sentiram que se encaixavam, gostaram de se abraçar e ansiavam por repetir aquele beijo todos os dias. O dia passou a ser demasiado pequeno e não suportaram mais separar-se no final da noite, e foi assim que construíram o vosso abrigo.

 

Ouvi esta música da Mafalda Veiga e lembrei-me de vocês, do que já me apercebi da vossa história, deixo a letra, espero que gostem!

Meu Abrigo - Mafalda Veiga

Olha pra mim
Deixa voar os sonhos
Deixa acalmar a tormenta
Senta-te um pouco aí
Olha pra mim
Fica no meu abrigo
Dorme no meu abraço
E conta comigo
Que eu estarei aqui
enquanto anoitece,
enquanto escurece
e os brilhos do mundo
cintilam em nós
enquanto tu sentes
que se quebrou tudo
eu estarei
sempre que te sentires só
Olha pra mim
Hoje não há batalhas
Hoje não há tristeza
deixa sair o sol
Olha pra mim
fica no meu abrigo
perde-te nos teus sonhos
e conta comigo
enquanto anoitece,
enquanto escurece
e os brilhos do mundo
cintilam em nós
enquanto tu sentes
que se quebrou tudo
eu estarei sempre
que te sentires só

 

Mas como já não esta disponível no you tube, ponho um vidoclip também dela que gosto, sorry. Chama-se Uma Gota.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:09


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930


Posts mais comentados