Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fábrica de Histórias

por Closet, em 30.04.12

 

Não te entendo

 

"Não te entendo" repetias desesperado.

Eu repetia novamente, soletrava na minha língua. Repetia depois na tentativa de pronunciar a tua língua, ou noutra que poderíamos compreender os dois. 

Mas música abafava a voz rouca e as bocas entregavam-se desamparadas, sedentas, esquecendo as palavras que surgiam desconexas, sem sentido.

Ali estávamos nós, confusos, um em frente ao outro, deixando que os corpos traduzissem os sentidos. 

"Quem és tu?" pensava em breves segundos enquanto me perguntavas algo também ao ouvido.

 "Não te entendo", olhava-te encolhendo os ombros. Tu encolhias os teus e puxavas-me para os teus braços. Sorrias, e os olhos profundos abraçavam as palavras que não decifravas. Sorriam e vertiam o aroma do improvável, a certeza do impossível. As mãos cegas, deslizavam sôfregas, enfeitiçadas pelo ritmo que vibrava nos corpos incendiados. Corroía de desejo o espírito inquieto, talvez insatisfeito. "Infeliz?" percebi que perguntavas, num olhar penetrante que pedia muito mais do que palavras, num desenrolar de frases seguidas que eu já não compreendia. 

Mas tentava. Queria tanto comunicar contigo...

Como podia explicar-te a atracção que sentia naquele momento alucinante? 

Não podia. Nem na minha língua o conseguia. O inexplicável seduzia. Não me importava mais nada. Tu cantavas e rias. Enquanto me viravas e reviravas, sentia o teu peito a ferver nas minhas costas, os teus lábios no meu pescoço, perdiam-se na orelha que beijavas enquanto sussurravas ao meu ouvido. Não entendia uma palavra, mas acompanhava os teus passos, por instinto. Porque todos os teus gestos, surdos-mudos, desaguavam num imenso sorriso. 

"Desisto", pensei impotente, no cansaço de não me fazer compreender. O meu nome, quem sou, o que faço. Nada. Desisto! Decidi entregar-me em branco, vazia. Como se acabasse de nascer. Aceitaste-me. Aceitei-te. Num pacto gestual inconfundível, tacteámos no escuro. Despidos de quaisquer palavras que nos identificassem e restringissem.  Assim éramos um para o outro, dois corpos apenas, sem história, sem rumo, sem futuro.

Não sei como, nem quando, mas um dia procuro-te.

 

 

Texto escrito para a Fábrica de Histórias.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:59


5 comentários

Imagem de perfil

De Ametista a 30.04.2012 às 14:36

Tão bonito, closet.. diria mais.. lindo :)
Ler-te é doce..

Um grande beijinho
Imagem de perfil

De Closet a 02.05.2012 às 22:32

Obrigada querida Ametista, "doce" é um adjectivo que me assenta bem!
Beijinhos 
Sem imagem de perfil

De Stranger! a 30.04.2012 às 15:04

Muahahahahahah!!!
Imagem de perfil

De Closet a 02.05.2012 às 22:35

Muahahahahahahaha para ti Stranger!!
Kiss
Sem imagem de perfil

De Stranger a 03.05.2012 às 07:01

Por supuesto que sí cariño 


Besos! 

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930