Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fábrica de Histórias

por Closet, em 26.03.12

 

Ser Primavera

 

Não era tarde, nem cedo, era a hora exacta. Aquela em que eu já a esperava.

Ela iria entrar pela porta da frente, de mansinho, e inundar a casa com o seu aroma floral, vestida com as habituais cores pastel, que esvoaçavam.

E assim entrou sem me espantar, de óculos escuros enormes, que lhe roubavam o rosto, iluminado pelo sol.

Acenei-lhe do fundo das escadas, como se não soubesse que viria:

 “Vera! Que saudades!” disse ainda com a voz rouca de sono.

E ela correu pelas escadas, aquecendo subitamente o meu quarto e libertando aquele perfume inebriante a alfazema que me confortava. Sorria, a Vera sorria sempre. Com um ar talvez inquieto, ou ansioso. De quem sabe bem o que quer, mas ainda não sabe como.

A sua voz soltou-se rapidamente como o cântico de um pássaro selvagem, falava agora encantada, e gesticulava, como a brisa do vento ondulando um campo de trigo. Acompanhei-lhe os movimentos com os olhos e tentei seguir-lhe o rasto que deixava. Estava apaixonada, dizia-me. Podia ver no seu rosto o planar feliz de uma andorinha num céu azul celestial. Dizia que ele era envolvente, escaldante, podia afirmar que era mesmo o seu destino.

Sentada na minha cama, Vera confidenciava-me convicta este amor inesperado. Sempre fora algo tímida, mas por vezes algo nela explodia, como uma imprevisível chuva de Abril. E tudo nela podia desmoronar-se a qualquer momento, o céu tornar-se cinzento e o sol, encoberto, chorar.

Mas em breve tudo iria mudar, dizia, quando de repente uma buzina lá fora apitava.

De cabeça de fora da janela, Vera gritava “aqui em cima” e puxava-me para o parapeito da janela onde se debruçava.

Ajeitei os cabelos desalinhados e puxei as alças da camisa de dormir amarrotada.

Um raio de sol quente atingiu-me de frente, no peito, e por segundos encadeou-me os olhos de claridade. Ainda tonta, descobri um vulto moreno, alto e musculado que nos acenava. Os seus olhos azuis eram como faróis que guiavam qualquer barco à deriva num mar alto e o sorriso… O sorriso era perfeito, despido e rasgado.

“Quem é?” Suspirei ainda enfeitiçada.

“É o Verão! De quem eu falava”.

 

(Moral da história: Para ter um Verão, precisas ser Primavera!)

 

 

Texto escrito para a Fábrica de Histórias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:53


6 comentários

Sem imagem de perfil

De T. a 26.03.2012 às 01:23

A Prima Vera ;)... Nunca mais chega o verão. Gostei como sempre.. Beijo
Imagem de perfil

De Closet a 01.04.2012 às 23:24

É que ele demora mesmo a chegar, preciso de calorrrrrrrrr!
Beijo
Sem imagem de perfil

De Natacha a 26.03.2012 às 21:49

(Sorrisos)


Eu gosto de ser um bocadinho de cada estação :) Mas gostei muito, claro ;)


Beijinho
Imagem de perfil

De Closet a 01.04.2012 às 23:28

eu confesso que sou mais verão :) a vários níveis!
beijinhos
Imagem de perfil

De Ametista a 29.03.2012 às 19:49

Ao ler esta frase, voei.. 'Podia ver no seu rosto o planar feliz de uma andorinha num céu azul celestial'.. Lindo, closet :)

Um grande beijinho
Imagem de perfil

De Closet a 01.04.2012 às 23:33

Obrigada Ametista, 
já só venho aqui ao dia da Fábrica, mas deixo-te um grande beijinho!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031