Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fábrica de Histórias

por Closet, em 20.03.11

Desenhos perigosos

 

Naquela terça-feira, uma noite escura e de nevoeiro, dei por mim perdida pelas ruelas do Bairro Alto.

Regressava para o carro ao fim dum jantar de aniversário entediante de uma colega do trabalho e estava desejosa de chegar a casa. Os saltos finos prendiam-se irritantemente entre as pedras da calçada, quando dei conta que tinha perdido o meu caderno pequeno de argolas. Devia ter-me caído da mala quando tirei as chaves do carro pelo caminho. Tentei fazer o percurso inverso mas as ruas apareciam-me como espelhos labirínticos de onde perdi completamente a orientação.

Ao fim duma rua, quase na curva, uma porta com um candeeiro por cima chamou-me a atenção. Entrei sem pensar em mais nada. Afastei as cortinas vermelhas da entrada, invadindo-me um bafo quente e apertado de fumo a cigarro ou cigarrilha. Arrastei-me exausta até ao balcão de tábua de madeira corrida, onde um empregado de cabelo rapado e tatuagem no braço olhou-me de cima a baixo desconfiado.

Pedi-lhe um shot “qualquer coisa servia, B52, Ti Maria,…”.

Sentei-me no banco de pé alto e de pele gasta e rasgada, desconfortável com o vestido justo que trazia. Olhei em volta e a sala estava praticamente vazia. Havia um casal de meia idade ao fundo recostado num sofá russo de aspecto bolorento. Ambos bebiam whisky e pareciam embalar as cabeças ao ritmo dos acordes tristes do piano tocado por um senhor negro. As suas feições marcadas pela avançada idade eram angustiadas e personalizavam a música que parecia despir-lhe a alma.

Veio o B52 num copo estreito a arder. Estendeu-me uma palhinha curta e esboçou-me um sorriso que me paralisou. Lembrou-me do meu caderno perdido. Eu já tinha desenhado aquele sorriso, ou outro sorriso de outro homem qualquer.

Bebi de um trago, deixando o álcool percorrer-me todo o corpo, queimando-me numa espécie de masoquismo que me agradava. Senti uma ligeira tontura, estava a surtir efeito. Devolvi-lhe o sorriso e pedi-lhe piscando-lhe o olho:

- Outro.

- Para mim também – insurgiu por trás de mim uma voz rouca familiar

- Por aqui? – Perguntei espantada enquanto ele se sentava a meu lado.

Ricardo é um solteirão de 32 anos que gasta todo o dinheiro em viagens pelo mundo e saídas com os amigos. Mora sozinho na Expo com o seu cão, um Huskie com 3 anos, num apartamento sofisticado no 10º andar, mobilado com pouco móveis, todos rectilíneos e modernos. Pára pouco em casa e a cozinha parecia ainda por estrear. Conhece gente de todos os cantos do mundo, fala inglês, francês, espanhol, italiano e alemão e ganha a qualquer pessoa num concurso sobre capitais.

Disse-me que era programador informático e que passa o dia inteiro numa secretária em frente a um monitor. Nunca o consegui imaginar em tal emprego. O seu corpo alto e bem delineado, de quem frequenta regularmente o ginásio, numa pele morena, torna-o popular entre as mulheres. Talvez por isso não simpatizei com o seu ar convencido quando a minha amiga Leonor nos apresentou. Aos poucos aprendi a gostar dele. De tal forma que, de um dia para o outro, foi como se passasse um furacão e não resisti mais ao seu charme.

- É verdade. Vê lá tu o que eu encontrei por ali na rua… - colocou em cima do balcão o meu caderno de argolas preto, esboçando um sorriso hipocritamente desinteressado.

Ricardo sentou-se no banco do lado segurando o meu caderno repleto de desenhos esboços do seu corpo, traços do seu sorriso.

- Onde o encontraste? – perguntei-lhe irritada.

- Ali caído numa berma da estrada. Alguém deve tê-lo deitado fora – respondeu com desdém bebendo o B52 de uma só vez.

- É meu. Sabes bem… quero-o de volta.

- E posso saber porquê? O que é que está aqui que te interessa? Ah… espera… os desenhos parecem-se comigo, serei eu Joana?

- Deixa de ser ridículo – o fogo do B52 assustou-me mas não me impediu de engolir rapidamente o shot que o empregado colocou-me à afrente.

- Ridícula é a tua reacção, és tu, tudo entre nós… Eu nunca te prometi nada. Ou prometi? Porque fugiste naquela noite pela calada e nunca mais atendeste o telefone?

Enfrentou-me com os olhos que faiscavam. Inspirei fundo na tentativa de disfarçar a voz trémula.

- Porque, porque… - hesitei -  tu assustas-me, entendes? Não te compreendo e estou farta de esperar coisas normais de ti…

- Não sei o que são coisas normais Joana, nem me interessa... mas já que estamos aqui hoje, por destino ou não, vamos aproveitar! Brindamos a isso pode ser? – e levantou o braço para o empregado - Olhe, mais dois por favor.

De repente senti um vulto passar-me pelas costas, enfiando algo no bolso do casaco. Com o susto até tossi mas apenas lhe vi as costas desaparecerem pelas cortinas vermelhas da porta, um sobretudo preto até aos joelhos e um cabelo castanho vulgar apanhado num rabo cavalo ao fim da nuca. Foi tudo. Meti a mão no bolso e encontrei um pedaço de papel dobrado que consegui ler de esguelha enquanto Ricardo pedia ao empregado se tinha algo para petiscar.

«A sua vida corre perigo. Fuja. Uma amiga» Manuscrito a esferográfica preta. E era tudo. Estupefacta escondi novamente o bilhete no bolso.

“Quem teria escrito aquela estupidez “ pensava atravessando-me todas as ideias mais estapafúrdias pela cabeça. … O Ricardo perigoso? Ou seria o empregado? Todo aquele cenário mirabolante começava a enervar-me, até o piano que chorava baixinho queixoso… Levantei-me de repente e pedi ao empregado a minha conta.

- Pensas que vais embora assim, sem mais nem menos? – Ripostou Ricardo enfurecido.

- Deixa-me. E podes ficar com o caderno se quiseres – respondi impaciente caminhando em direcção da porta.

- Nem penses que é como tu queres – dizia empurrando-me para trás com gestos violentos que eu desconhecia.

"E se fosse verdade? E se ele fosse mesmo alguem perigoso?" Afinal só o conhecia há meses e a sua vida era um pouco enigmática.

Voltei-me para trás e assustada desci umas escadas à minha esquerda. Os dois lances de madeira, desembocavam numa cave escura, de cheiro a bafio, apenas iluminada por uma luz tímida e amarelada no tecto, e onde um corredor pequeno terminava numa janela com gradeamento. Nas paredes de lado, apenas as casas de banho.

Senti passos atrás de mim pelas escadas e nesse momento o meu coração galopava como um cavalo assustado. Encostada ao fim do corredor, vi primeiro uma sombra que foi ganhando aos poucos nitidez. Era o empregado que parou no fim das escadas, fitando-me de olhos semi-cerrados. Sem mais nem menos, começou a despir a camisa, botão, por botão, devagar. Por momentos senti o meu sangue congelar. Passava-me tudo pela cabeça, que ele era um assassino, que as bebidas tinham droga? Provavelmente ele queria violar-me e depois traficar os meus orgãos.

No seu peito depilado apercebi-me de outra tatuagem do lado esquerdo que ao princípio não consegui ler. “Amo-te Octávio”.

Comecei a ter tonturas, as mãos suavam e a parede atrás de mim gelava-me as costas. Ele continuava a caminhar na minha direcção e quando já estava a dois passos de mim, esticou-me do bolso traseiro das calças o meu caderno de desenhos.

- Será que pode desenhar-me também? – Perguntou de sobrolho levantado ainda com cara de poucos amigos.

Fiquei perplexa sem saber o que dizer. Agarrei o caderno, confusa, e num acto de desespero balbuciei que sim.

- Agora a sério – levantou a voz num tom ríspido enquanto abotoava a camisa – pague se faz favor a despesa do bar porque o seu amigo pirou-se sem pagar.

 

 

Escrito para a Fábrica de Histórias

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Tiago a 21.03.2011 às 20:20

Há já algum tempo que acompanho o seu blog, e fascina-me tudo aquilo, e a facilidade, com que escreve. Este Post foi sem dúvida um dos melhores. Parabéns. =)
Imagem de perfil

De Closet a 21.03.2011 às 23:19

Obrigada Tiago, bem vindo! Escrever para mim é um escape ou uma espécie de terapia. Ainda bem que alguem gosta tanto de ler como eu de escrever! Volte sempre ;)
Sem imagem de perfil

De BF a 22.03.2011 às 12:24

está fantástico. como deste volta ao final da história.
gostei muito. grande imaginação!

beijos mil
Imagem de perfil

De Closet a 23.03.2011 às 00:15

era o tema: acção, mt acção, romance e mistério!! É um texto entre o terror e o cómico :)
Beijos linda!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.03.2011 às 15:27

Parab´nes pela História. o enredo prende-nos. a forma clara com que escreve agrada-me. Muitos parabéns!
Imagem de perfil

De Closet a 23.03.2011 às 00:15

Muito obrigada!
Sem imagem de perfil

De Natacha a 23.03.2011 às 10:43

Olá Closet,


Gostei bastante, conseguiste imprimir o mistério do princípio ao fim com um toque até de comicidade. Parabéns :)


um beijinho
Imagem de perfil

De Closet a 23.03.2011 às 11:02

Pois é o chamado "clímax seguido do anti-climáx" para nos divertir!! Não resiti ao "Amo-te Octávio", confesso!!
Beijos
Sem imagem de perfil

De herminia Liopes e Emilia Pinto a 24.03.2011 às 22:22

OI!
Serena até certo ponto e depois quase um filme de terror, mas fiquei sempre presa, até ao fim.
Quanto aos engatatões...pé a atràs....
 sossegada fiquei :"Amo-te- Otávio"!!!!!!!!!
 Como me consegui prender e arripiar(bem sou um pouco medrosa), dou-lhe os parabéns.
Continue ....
Até breve
Herminia  
Imagem de perfil

De Closet a 24.03.2011 às 23:09

pois era essa a intenção, um crescendo de mistério e medo :) depois o cómico do Amo-te Octávio, que é uma ferramenta de ironia! Ainda bem que gostou, até breve, lá pela Fábrica!
Sem imagem de perfil

De Emilia Pinto e Herminia Lopes a 24.03.2011 às 22:46

Oi !
Somente  para  complementar  o nosso blog é
:
comecardenovopt.blosgspot.com 

Até breve

Herminia

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031